8 de março: conquistas e controvérsias Report as inadecuate




8 de março: conquistas e controvérsias - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Revista Estudos Feministas 2001, 9 (2)

Author: Eva Blay Alterman

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Revista Estudos Feministas ISSN: 0104-026X ref@cfh.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Blay Alterman, Eva 8 de março: conquistas e controvérsias Revista Estudos Feministas, vol.
9, núm.
2, segundo semestre, 2001, pp.
601-607 Universidade Federal de Santa Catarina Santa Catarina, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=38109216 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Ensaio 8 DE MARÇO: CONQUIST AS E CONTRO VÉRSIAS CONQUISTAS CONTROVÉRSIAS EVA ALTERMAN BLAY Resumo: O Dia Internacional da Mulher foi proposto por Clara Zetkin em 1910 no II Congresso Internacional de Mulheres Socialistas.
Nos anos posteriores a 1970 este Dia passou a ser associado a um incêndio que ocorreu em Nova Iorque em 1911.
Neste artigo procuro recuperar a história do Dia 8 de Março e as distorções que têm sido feitas sobre ele e sobre a luta feminista. Palavras-chave Palavras-chave: história do feminismo, operárias judias, operárias italianas, política, movimentos sociais. O dia 8 de março é dedicado à comemoração do Dia Internacional da Mulher. Atualmente tornou-se uma data um tanto festiva, com flores e bombons para uns.
Para outros é relembrada sua origem marcada por fortes movimentos de reivindicação política, trabalhista, greves, passeatas e muita perseguição policial.
É uma data que simboliza a busca de igualdade social entre homens e mulheres, em que as diferenças biológicas sejam respeitadas mas não sirvam de pretexto para subordinar e inferiorizar a mulher. As mulheres faziam parte das “classes perigosas” No século XIX e no início do XX, nos países que se industrializavam, o trabalho fabril era realizado por homens, mulheres e crianças, em jornadas de 12, 14 hora...





Related documents