A guerra para tornar-se humano: tornar-se humano em tempo de guerra Report as inadecuate




A guerra para tornar-se humano: tornar-se humano em tempo de guerra - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Revista Estudos Feministas 2001, 9 (2)

Author: Neferti Tadiar

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Revista Estudos Feministas ISSN: 0104-026X ref@cfh.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Tadiar, Neferti A guerra para tornar--se humano: Tornar-se humano em tempo de guerra Revista Estudos Feministas, vol.
9, núm.
2, segundo semestre, 2001, pp.
360-366 Universidade Federal de Santa Catarina Santa Catarina, Brasil Disponible en: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=38109203 Cómo citar el artículo Número completo Más información del artículo Página de la revista en redalyc.org Sistema de Información Científica Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Proyecto académico sin fines de lucro, desarrollado bajo la iniciativa de acceso abierto Neferti Tadiar A guerra para tornar -se humano- tornar-se Tornar -se humano em tempo de ornar-se guerra Há um poema escrito em 1990 por uma escritora filipina, Joi Barrios, intitulado “Ang Pagiging Babae Ay Pamumuhay sa Panahon ng Digma” – Ser uma Mulher é Viver em Tempo de Guerra.
O poema se refere à época em que o povo filipino presenciava o tráfico de mulheres, apoiado pelo Estado, juntamente com a venda de outros recursos naturais nacionais – nosso povo, nossa terra e sua riqueza orgânica – sob um regime repressivo e autoritário e seus sucessores.
Esse tempo de guerra, que durou mais de 30 anos, e continua nos dias de hoje, assistiu à prisão, tortura e matança de milhares de pessoas que se opunham aos regimes que o instituíam, regimes apoiados pelo know-how financeiro, político e militar dos Estados Unidos, do Banco Mundial e do FMI.
Barrios escreve: Nenhum momento- é sem perigo.- Na sua própria casa,- falar, desafiar- é cortejar a dor.- Na rua, andar à noite- é convidar a agressão.- Na minha sociedade,- protestar contra a opressão- é se expor a uma violência ainda maior. Ser uma mulher é viver em tempo de guerra, ou, traduzindo mais ao pé da letra, Tornar-se Mulher é Viver em Tempo de Guerra. Por muito tempo tenho estudado...





Related documents