Sistema reprodutivo de sparattosperma leucanthum (vell.) k. schum. (bignoniaceae) Report as inadecuate




Sistema reprodutivo de sparattosperma leucanthum (vell.) k. schum. (bignoniaceae) - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Valter Vieira Alves Júnior ;Revista Árvore 2009, 33 (2)

Author: Leandro Pereira Polatto

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Pereira Polatto, Leandro; Vieira Alves Júnior, Valter Sistema reprodutivo de Sparattosperma leucanthum (Vell.) K.
Schum.
(Bignoniaceae) Revista Árvore, vol.
33, núm.
2, abril, 2009, pp.
289-296 Universidade Federal de Viçosa Viçosa, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=48813388010 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 289 Sistema reprodutivo de Sparattosperma … SISTEMA REPRODUTIVO DE Sparattosperma leucanthum (VELL.) K.
SCHUM. (BIGNONIACEAE)1 Leandro Pereira Polatto2 e Valter Vieira Alves Júnior3 RESUMO – Sparattosperma leucanthum (Vell.) K.
Schum.
(Bignoniaceae) é uma árvore polinizada por mamangavas, apesar de outros visitantes florais explorarem néctar ou pólen das flores sem exercerem benefício reprodutivo. Neste estudo, focalizaram-se aspectos do sistema de polinização, além de inferir se o espaçamento interplantas encontrado na área amostral e a quantidade de flores produzidas por árvore limitavam ou não a polinização por xenogamia em S.
leucanthum.
Assim, foram realizados testes reprodutivos, para obtenção da relação frutoflor, contagens do número de sementes por fruto e das árvores nos transectos amostrados e estimativa da quantidade de flores por árvores.
S.
leucanthum é autoincompatível e necessita dos visitantes florais para efetuar a polinização, pois se reproduz apenas por xenogamia.
A razão fruto-flor obtida foi de 0,0054, indicando alto custo energético, atribuído à baixa eficiência dos visitantes florais em promover a polinização.
A distância interplantas foi relativamente menor que a distância máxima percorrida pelas mamangavas, enquanto as árv...





Related documents