Avaliação da disfagia em pacientes pediátricos com traumatismo crânio-encefálico Report as inadecuate




Avaliação da disfagia em pacientes pediátricos com traumatismo crânio-encefálico - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Luciana Karla Moreira Amaral ; Ana Paula Galvão ; Sérgio Diniz Guerra ; Cristina Lemos Barbosa Furia ;Revista CEFAC 2005, 7 1

Author: Cristina Vaz Rosado

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Vaz Rosado, Cristina; Moreira Amaral, Luciana Karla; Galvão, Ana Paula; Diniz Guerra, Sérgio; Lemos Barbosa Furia, Cristina AVALIAÇÃO DA DISFAGIA EM PACIENTES PEDIÁTRICOS COM TRAUMATISMO CRÂNIOENCEFÁLICO Revista CEFAC, vol.
7, núm.
1, enero-marzo, 2005, pp.
34-41 Instituto Cefac São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=169320490004 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 34 Rosado CV, Amaral LKM, Galvão AP, Guerra SD, Fúria CLB AVALIAÇÃO DA DISFAGIA EM PACIENTES PEDIÁTRICOS COM TRAUMATISMO CRÂNIO-ENCEFÁLICO Dysphagia interdisciplinary approach in pediatrics patients with head injury Cristina Vaz Rosado (1), Luciana Karla Moreira Amaral (2), Ana Paula Galvão (3), Sérgio Diniz Guerra (4), Cristina Lemos Barbosa Furia (5) RESUMO Objetivo: avaliar a ocorrência e a classificação de disfagia nos pacientes pediátricos vítimas de TCE, descrever as alterações fonoaudiológicas.
Métodos: participaram deste estudo 55 crianças na faixa etária de 1 a 13 anos, internados na UTI e enfermaria do Hospital João XXIII em Belo Horizonte – MG.
Os dados foram coletados por meio da aplicação de um protocolo de avaliação fonoaudiológica.
Resultados: as alterações fonoaudiológicas mais freqüentes foram: alteração do vedamento labial, aumento do tempo de trânsito oral e faríngeo, escape oral anterior do alimento, mastigação lenta e incoordenada, ejeção oral fraca, diminuição na elevação da laringe, deglutições múltiplas, penetração e aspiração laríngea.
Dos 55 pacientes, 20 foram classificados como disfágicos, 29,1% (n=16) disfagia leve, 5,3% (n=3) disfagia moderada, 3,6% (n=2)...





Related documents