Miguel torga: -uma criatura de esperança- Report as inadecuate




Miguel torga: -uma criatura de esperança- - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa 2008, II 4

Author: Maria da Conceição Vaz Serra Pontes Cabrita

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Vaz Serra Pontes Cabrita, Maria da Conceição Miguel Torga: -Uma criatura de esperança- Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa, vol.
II, núm.
4, marzo-agosto, 2008, pp.
278-300 Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=87912341017 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto “ACOLHENDO A ALFABETIZAÇÃO NOS PAÍSES DE L ÍNGUA PORTUGUESA” – REVISTA ELETRÔNICA ISSN: 1980-7686 Equipe: Grupo Acolhendo Alunos em Situação de Exclusão Social da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo e PósGraduação em Educação de Jovens e Adultos da Faculdade de Educação da Universidade Eduardo Mondlane.
(Via Atlântica: Perspectivas Fraternas na Educação de Jovens e Adultos entre Brasil e Moçambique).
PROCESSO 491342-2005-5 – Ed.
472005 Cham. 1-Chamada.
APOIO FINANCEIRO: CNPq e UNESCO Miguel Torga: “Uma criatura de esperança” Miguel Torga: “A creature of hope” Maria da Conceição Vaz Serra Pontes CABRITA RESUMO Pretendemos abordar, na perspectiva dos valores humanos no século XXI, três obras de Miguel Torga, designadamente: “Vicente”, da colectânea Bichos; O Sexto Dia da Criação do Mundo, vol.
V e Diário, vol. XII. Poeta, escritor e dramaturgo, a sua existência foi marcada pela angústia, pelo desespero, pela obsessão da morte ou pela relatividade do Homem face ao Absoluto.
Nunca perdeu a esperança no ser humano e na força da sua vontade para lutar contra as vicissitudes do destino.
A sua terra, S. Martinho de Anta, a Agarez do se...





Related documents