1.0 mais do que 2.0? o uso tradicional de suportes inovadores nas campanhas eleitorais Report as inadecuate




1.0 mais do que 2.0? o uso tradicional de suportes inovadores nas campanhas eleitorais - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Viviane Afonso de Araújo ;Sociedade e Cultura 2012, 15 1

Author: Rui Alexandre Novais

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Sociedade e Cultura ISSN: 1415-8566 brmpechincha@hotmail.com Universidade Federal de Goiás Brasil Novais, Rui Alexandre; Afonso de Araújo, Viviane 1.0 mais do que 2.0? O uso tradicional de suportes inovadores nas campanhas eleitorais Sociedade e Cultura, vol.
15, núm.
1, enero-junio, 2012, pp.
17-24 Universidade Federal de Goiás Goiania, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=70324609003 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto DOI: 10.5216-sec.v15i1.20669 1.0 mais do que 2.0? O uso tradicional de suportes inovadores nas campanhas eleitorais Rui Alexandre Novais Doutor em Estudos de Comunicação e Imagem (Universidade de Kent) Professor e Investigador na Universidade do Porto, na Universidade do Minho e na Universidade de Liverpool rualais@gmail.com Viviane Afonso de Araújo Mestre em Ciências da Comunicação (Universidade do Porto) vivisbh@hotmail.com Resumo Este estudo propõe a análise comparativa das campanhas on-line à presidência da República do Brasil (2010) e de Portugal (2011), com o intuito de determinar se os dois candidatos mais bem colocados nas intenções de voto em ambos os países lograram obter o melhor aproveitamento dos recursos de comunicação de campanha pós-moderna, ou da era 2.0.
Baseado em uma análise de conteúdo dos tweets dos candidatos no primeiro turno das campanhas nos respetivos países, constatou-se que o  Twitter  foi primordialmente utilizado como ferramenta de aproximação e comunicação com o eleitor.
Na verdade, conclui-se que ainda não se pode falar em uma evolução integral para a terceira era das campanhas políticas, uma vez que os candidatos desperdiçaram o potencial de comunicação bidirecional proporcionado pela interatividade do...





Related documents