Sujeito e agência no pensamento de judith butler: contribuições para a teoria social Report as inadecuate




Sujeito e agência no pensamento de judith butler: contribuições para a teoria social - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Sociedade e Cultura 2013, 16 2

Author: Neiva Furlin

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Sociedade e Cultura ISSN: 1415-8566 brmpechincha@hotmail.com Universidade Federal de Goiás Brasil Furlin, Neiva Sujeito e agência no pensamento de Judith Butler: contribuições para a teoria social Sociedade e Cultura, vol.
16, núm.
2, julio-diciembre, 2013, pp.
395-403 Universidade Federal de Goiás Goiania, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=70332866015 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Sujeito e agência no pensamento de Judith Butler: contribuições para a teoria social1 Neiva Furlin Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil nfurlin@yahoo.com.br Resumo Este ensaio analisa as noções de sujeito e de agência no pensamento de Judith Butler e a relevância de sua contribuição para a teoria social.
O sujeito aparece constituído por meio de um processo de reiteração ritual de normas, mas que não o constitui totalmente, porque nas próprias dinâmicas do poder se encontra a condição da agência, entendida como resistência e capacidade de ação política.
A agência é movida pelo desejo, e este se manifesta como a força inovadora e impulsora da mudança, porque é ele que ativa a consciência reflexiva acerca dos limites que o poder impõe ao sujeito, gerando resistência-agência.
O pensamento de Butler traz uma contribuição original para a teoria social, pois possibilita a compreensão dos processos de resistência e de agência que emergem desde as “margens sociais”, de sujeitos historicamente invisibilizados ou tidos como “subalternos” ou não inteligíveis, dentro de uma dada ordem social.
Trata-se de uma agência que rompe com lógicas hegemônicas e permite ressignificar práticas sociais e subjetividades, coloc...





Related documents