O papa, o islã e o politicamente correto Report as inadecuate




O papa, o islã e o politicamente correto - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Lua Nova 2007, 70

Author: José Augusto Lindgren Alves

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Lua Nova ISSN: 0102-6445 luanova@cedec.org.br Centro de Estudos de Cultura Contemporânea Brasil Lindgren Alves, José Augusto O papa, o Islã e o politicamente correto Lua Nova, núm.
70, 2007, pp.
13-38 Centro de Estudos de Cultura Contemporânea São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=67307003 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto José Augusto Lindgren Alves O PAPA, O ISLÃ E O POLITICAMENTE CORRETO José Augusto Lindgren Alves “Nada que ocorre no mundo nos é estranho.” – Celso Amorim. Desde quando, na segunda viagem à Alemanha, em setembro de 2006, na Universidade de Regensburgo, o Papa Bento XVI fez a citação, agora célebre, de obscuro imperador bizantino do Século XIV sobre o legado de Maomé como uma tradição de violência e imposição da fé pela força, tive a certeza de que ela não fora fortuita.
Tampouco constituíra uma “gafe”, como jornalistas e acadêmicos do Ocidente diziam, ao comentarem a reação furiosa dos muçulmanos.
Mantive, por isso, a convicção de que o Pontífice não se retrataria, por mais que o exigissem aqueles que se consideravam ofendidos. Não porque eu fosse admirador das posturas conservadoras do ex-Cardeal Ratzinger, muito menos seguidor da doutrina, anacrônica até para muitos católicos, da infalibilidade papal, inventada também no Século XIV1.
Nem porque eu tivesse simpatias por atos gratuitos que agridem crenças 1 Informo-me sobre as posturas de Josef Ratzinger e sobre essa doutrina medieval (restabelecida em 1870, pelo Concílio Vaticano Primeiro) em Hans Küng 2001. É de notar que a doutrina original falava em “infalibilidade e irreformabilidade das decisões papais”.
A simetria com o instituto muçulmano da f...





Related documents