Raça e mortalidade cerebrovascular no brasil Report as inadecuate




Raça e mortalidade cerebrovascular no brasil - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Isabela Judith Martins Bensenor ;Revista de Saúde Pública 2013, 47 6

Author: Paulo Andrade Lotufo

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Andrade Lotufo, Paulo; Martins Bensenor, Isabela Judith Raça e mortalidade cerebrovascular no Brasil Revista de Saúde Pública, vol.
47, núm.
6, diciembre, 2013, pp.
1201-1204 Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=67240209018 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Rev Saúde Pública 2013;47(6):1201-4 Comunicação Breve Paulo Andrade LotufoI,II Raça e mortalidade cerebrovascular no Brasil Isabela Judith Martins BensenorI,II DOI:10.1590-S0034-8910.2013047004890 Race and stroke mortality in Brazil RESUMO Sendo desconhecidas as taxas de mortalidade cerebrovascular segundo raça no Brasil, foram coletadas informações de óbitos de 2010 do Sistema de Informação de Mortalidade do Ministério da Saúde.
Foram calculadas as taxas de mortalidade cerebrovascular, ajustadas por idade (por 100 mil), com intervalo de confiança de 95%, por sexo e raça-cor de pele.
A diferença entre brancos, pardos e negros foi significativa para homens, com taxas, respectivamente, de 44,4 (43,5;45,3), 48,2 (47,1;49,3) e 63,3 (60.6;66,6); e para mulheres, com taxa, respectivamente, de 29,0 (28,3;29,7), 33,7 (32,8;34,6) e 51,0 (48,6;53,4). Em conclusão, a mortalidade cerebrovascular no Brasil é maior entre negros. DESCRITORES: Acidente Vascular Cerebral, epidemiologia.
Coeficiente de Mortalidade.
Gênero e Saúde.
Origem Étnica e Saúde. ABSTRACT Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica. Universidade de São Paulo.
São Paulo, SP, Brasil I II Faculdade de Medicina.
Universidade de São Paulo.
São Paulo, SP, Brasil Correspondência | Correspondence: Paulo Andrade Lo...





Related documents