Debate sobre o artigo de assis et al. Report as inadecuate




Debate sobre o artigo de assis et al. - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Ciência & Saúde Coletiva 2009, 14 2

Author: Lúcia Abelha

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Brasil Abelha, Lúcia Debate sobre o artigo de Assis et al. Ciência & Saúde Coletiva, vol.
14, núm.
2, abril, 2009, pp.
363-365 Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Rio de Janeiro, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=63013532004 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Na tradição foucaultiana da análise da clínica5, poder-se-ia considerar que o olhar clínico, ao mesmo tempo em que produz saber sobre o objeto pesquisado, produz o próprio objeto como patologia.
Dizer o que está sendo visto, fazer ver o que está sendo dito. Um outro aspecto diz respeito à metodologia destes trabalhos epidemiológicos, que pressupõem que as entrevistas ou outras formas de coleta das informações da pesquisa não sofrem influências culturais, étnicas ou lingüísticas.
Por exemplo, na “Escala de Rastreamento Populacional para depressão (CES-D) em populações clínica e não-clínica de adolescentes e adultos jovens”6 existem tais quesitos: “senti-me incomodado com coisas que habitualmente não me incomodam”, ou “senti que tive que fazer esforço para dar conta das minhas tarefas habituais”.
Outro exemplo é a “Escala de Avaliação de Transtorno Obsessivo-compulsivo na Infância e Adolescência”7, que tem como graus de resistência os quesitos “meus pensamentos e hábitos são até sensatos e razoáveis” e “isto é só um hábito, eu o faço sem necessariamente estar pensando a respeito”.
Como estas questões são realmente formuladas para crianças e adolescentes? Qual o nível de relativização que estas questões pod...





Related documents