A legalização da classe operária. edelman, bernard. são paulo: boitempo, 2016. Report as inadecuate




A legalização da classe operária. edelman, bernard. são paulo: boitempo, 2016. - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Revista Direito e Práxis 2016, 7 4

Author: Alexandre Aranha Arbia

Source: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=350950139024


Teaser



Revista Direito e Práxis E-ISSN: 2179-8966 direitoepraxis@gmail.com Universidade do Estado do Rio de Janeiro Brasil Aranha Arbia, Alexandre A legalização da classe operária.
EDELMAN, Bernard.
São Paulo: Boitempo, 2016. Revista Direito e Práxis, vol.
7, núm.
4, 2016, pp.
770-777 Universidade do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=350950139024 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 770 RESENHA A legalização da classe operária EDELMAN, Bernard. São Paulo: Boitempo, 2016. Alexandre Aranha Arbia Doutorando em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre e bacharel em Serviço Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Professor do curso de Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), vinculado ao Departamento de Ciências Sociais, Jornalismo e Serviço Social. E-mail: aarbia@gmail.com. Rio de Janeiro, Vol. 07, N. 16, 2016, p. 770-777. Alexandre Aranha Arbia DOI: 10.12957-dep.2016.23128 | ISSN: 2179-8966 771 P ublicado originalmente em Paris, em 1978, e relançado no Brasil em março deste ano, pela Boitempo Editorial, A legalização da classe operária, de Bernard Edelman, é um livro incômodo. Defendendo a inviabilidade de um “direito operário” por compreender que a relação jurídica não permite a coexistência de sistemas de direito que se oponham aos “grandes princípios” lógico-estruturantes da forma jurídica – o “Homem”, a “liberdade”, a “igualdade”, a “propriedade privada” –, o autor enuncia uma tese esse...





Related documents