A crise da potência e a desordem internacional Report as inadecuate




A crise da potência e a desordem internacional - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Caderno CRH 2006, 19 48

Author: Bertrand Badie

Source: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=347632170002


Teaser



Caderno CRH ISSN: 0103-4979 revcrh@ufba.br Universidade Federal da Bahia Brasil Badie, Bertrand A CRISE DA POTÊNCIA E A DESORDEM INTERNACIONAL Caderno CRH, vol.
19, núm.
48, septiembre-diciembre, 2006, pp.
385-390 Universidade Federal da Bahia Salvador, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=347632170002 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Bertrand Badie DOSSIÊ A CRISE DA POTÊNCIA E A DESORDEM INTERNACIONAL Concedeu-se provavelmente muito crédito à categoria de potência nas Relações Internacionais, considerando-a como independente das conjunturas, como uma evidência que transcenderia a história e se imporia em detrimento dos contextos.
O debate teórico, desde o fim da bipolaridade e da Guerra Fria, girou em torno dos conceitos de “superpotência”, “hiperpotência” ou unipolaridade. No entanto, não se tem dado bastante atenção e importância à crise que atinge o universo hobbesiano e seus herdeiros (Clausewitz, Weber, Carl Schmitt, Hans Morgenthau ou Kissinger).
Sem dúvida, essa categoria é hoje atacada em sua própria essência, demonstrando-se frágil sempre que utilizada como princípio de ação internacional, isso sem considerar as vicissitudes por que passa a própria primeira potência mundial.
No jogo pósbipolar, a potência se torna talvez impotente. O paradoxo empírico se impõe ao analisar o decorrer dos acontecimentos: nunca um Estado acumulou tantos recursos caracterizadores da potência quanto os Estados Unidos nos dias de hoje; jamais, no entanto, essa potência teve tão pouco domínio sobre os problemas com os quais se con- fronta e nunca foi tão débil a capacidade do “hegemon” de enfrentar os desafios do mundo contemporâneo.
À medida qu...





Related documents