Colaboração interprofissional em uma unidade de terapia intensiva: desafios e possibilidades Report as inadecuate




Colaboração interprofissional em uma unidade de terapia intensiva: desafios e possibilidades - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Ana Ecilda Lima Ellery ;Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste 2016, 17 1

Author: Eveline Rodrigues da Silva Barros

Source: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=324044160003


Teaser



Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste ISSN: 1517-3852 rene@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Rodrigues da Silva Barros, Eveline; Lima Ellery, Ana Ecilda Colaboração interprofissional em uma Unidade de Terapia Intensiva: desafios e possibilidades Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, vol.
17, núm.
1, enero-febrero, 2016, pp. 10-19 Universidade Federal do Ceará Fortaleza, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=324044160003 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto DOI: 10.15253-2175-6783.2016000100003 www.revistarene.ufc.br Artigo Original Colaboração interprofissional em uma Unidade de Terapia Intensiva: desafios e possibilidades Inter-professional collaboration in an Intensive Care Unit: Challenges and opportunities Eveline Rodrigues da Silva Barros1, Ana Ecilda Lima Ellery2 Objetivo: compreender a relação entre os profissionais de saúde, numa unidade de terapia intensiva, explorando a colaboração interprofissional.
Métodos: estudo de natureza qualitativa, inspirado na Fenomenologia Hermenêutica, de Paul Ricoeur, para a produção do conhecimento.
Foram realizadas entrevistas com 36 profissionais de Terapia Intensiva de um  hospital terciário, público.  Resultados: os profissionais estão satisfeitos com o trabalho e há empenho em prestar assistência de qualidade, apesar de limites organizacionais, como vínculos empregatícios precários e rotatividade dos profissionais.
A colaboração interprofissional é fator imprescindível para assistência, mas na prática não se efetiva, em grande parte pela ausência de dispositivos para a integração da equipe, presença de liderança, bem como pela superlotação dos serviços, que sobrecarregam os trabalhadores ...





Related documents