Entrevista com elisabeth roudinesco Report as inadecuate




Entrevista com elisabeth roudinesco - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental 2016, 19 3

Author: Betty Milan

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental ISSN: 1415-4714 psicopatologiafundamental@uol.com.br Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental Brasil Milan, Betty Entrevista com Elisabeth Roudinesco Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, vol.
19, núm.
3, septiembre, 2016, pp.
388-402 Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=233049451002 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto R E V I S T A LATINOAMERICANA DE P S I C O P A T O L O G I A F U N D A M E N T A L Rev.
Latinoam.
Psicopat.
Fund., São Paulo, 19(3), 388-402, set.2016 http:--dx.doi.org-10.1590-1415-4714.2016v19n3p388.2 Entrevista-Interview Entrevista com Elisabeth Roudinesco* Betty Milan 388 P – Por que você escreveu uma biografia de Freud? R – Quando a gente escreve livros, a gente não decide antes de escrever.
A biografia se impôs, eu havia feito tudo na psicanálise. Escrevi a história da Psicanálise na França, a biografia de Lacan. Depois, com o Dicionário da psicanálise abordei quase todos os países. Faz mais de vinte anos que eu ensino História da Psicanálise.
Havia uma espécie de lógica que se impunha.
Não existia mais biografia de Freud desde Peter Gay, a última biografia séria, datava de 1988.
Mas era preciso renovar. Arquivos novos foram abertos agora em Washington e eu achava que era necessária uma abordagem de Freud diferente daquela que os historiadores americanos fizeram.
Queria fazer uma abordagem austro-húngara, Mitteleuropa, um Freud goetheano, um Freud dividido entre o obscuro e a luz.
Queria invalidar vários rumores e levar em conta a correspondência, que atualmen...





Related documents