Balaiada: construção da memória histórica Report as inadecuate




Balaiada: construção da memória histórica - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

História São Paulo 2005, 24 1

Author: Maria de Lourdes Monaco Janotti

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



História (São Paulo) ISSN: 0101-9074 revistahistoria@unesp.br Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Brasil Monaco Janotti, Maria de Lourdes Balaiada: construção da memória histórica História (São Paulo), vol.
24, núm.
1, 2005, pp.
41-76 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=221014791003 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto Balaiada: construção da memória histórica Maria de Lourdes Monaco JANOTTI1 RESUMO: Durante o século XIX, historiadores procuraram explicar o nascimento do Estado nacional brasileiro, atribuindo às instituições do novo país independente um caráter constitucional, renovador e civilizado.
Nessa medida, os movimentos contestatórios, entre eles a Balaiada, foram julgados como anomalias, manifestações da barbárie contra a civilização, representada pela ordem monárquica.
Entretanto, fontes memorialísticas veicularam versões diferentes da revolta balaia, ricas em detalhes e nuances, permitindo apreender variações comportamentais de segmentos sociais emergentes na crise final do período colonial.
Entrando pelo século XX historiadores compreenderam que a Balaiada representou a ascensão de brasileiros ao poder provincial e nacional, a consolidação do poder do coronelismo e o pacto de dominação entre os partidos da elite maranhense, acentuando mais ainda a marginalização social dos destituídos, principalmente dos negros. PALAVRAS-CHAVE: Balaiada; partidos maranhenses; revoltas da Regência. Concebendo a história como vida, a memória oral ou escrita como representação testemunhal do vivido e a historiografia como narrativa interpretativa baseada em métod...





Related documents