O baile do monstro: o mito da paz de vestfália na história das relações internacionais modernas Report as inadecuate




O baile do monstro: o mito da paz de vestfália na história das relações internacionais modernas - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

História São Paulo 2010, 29 2

Author: Diego Santos Vieira de JESUS

Source: http://www.redalyc.org/


Teaser



História (São Paulo) ISSN: 0101-9074 revistahistoria@unesp.br Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Brasil Vieira de JESUS, Diego Santos O baile do monstro: O mito da Paz de Vestfália na história das relações internacionais modernas História (São Paulo), vol.
29, núm.
2, 2010, pp.
221-232 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho São Paulo, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=221019007012 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto JESUS, Diego Santos Vieira de. O baile do monstro: o mito da paz de vestfália na história das relações internacionais modernas. O baile do monstro: O mito da Paz de Vestfália na história das relações internacionais modernas The Monster Ball: The myth of the Peace of Westphalia in the history of modern international relations Diego Santos Vieira de JESUS• Resumo: O objetivo deste artigo é problematizar o mito da Paz de Vestfália nas relações internacionais modernas, trazendo interpretações alternativas para tal evento e para seus impactos no estudo da história das relações internacionais e nas relações internacionais contemporâneas. Problematizando, primeiramente o marco histórico, o argumento central aponta que a Paz de Vestfália não promoveu profunda inovação nem ruptura em relação à perspectiva anterior à Guerra dos Trinta Anos no que diz respeito aos aspectos essenciais das unidades constitutivas do Sacro Império Romano e das prerrogativas do imperador, apenas confirmou uma ordem cooperativa legal de entidades autônomas não-soberanas.
O questionamento da existência empírica de um sistema inviolável de Estados soberanos evidencia, a seguir, as brechas nos princípios de autonomia e de territ...





Related documents