A formação de obstetrizes no brasil: desafio e transformação Report as inadecuate




A formação de obstetrizes no brasil: desafio e transformação - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Cogitare Enfermagem 2011, 16 3

Author: Dulce Maria Rosa Gualda

Source: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=483648968001


Teaser



Cogitare Enfermagem ISSN: 1414-8536 cogitare@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Gualda, Dulce Maria Rosa A FORMAÇÃO DE OBSTETRIZES NO BRASIL: DESAFIO E TRANSFORMAÇÃO Cogitare Enfermagem, vol.
16, núm.
3, julio-septiembre, 2011, p.
407 Universidade Federal do Paraná Curitiba - Paraná, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=483648968001 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto 407 A FORMAÇÃO DE OBSTETRIZES NO BRASIL: DESAFIO E TRANSFORMAÇÃO Dulce Maria Rosa Gualda¹ O panorama da saúde materno-infantil no Brasil tem mostrado um quadro crítico.
Os índices de mortalidade materna, embora tenham se mantido estáveis nos últimos quinze anos, são ainda, extremamente elevados, sendo cinco a dez vezes maiores que os dos países de alta renda.
Este fato aponta para as disparidades regionais do Brasil e a atuação insu ciente do sistema público de saúde.
O desa o na redução do alto índice de cesarianas é outro problema que demanda solução no enfrentamento da morbi-mortalidade materna e neonatal.
São evidentes as de ciências, tanto quantitativas quanto qualitativas, de recursos humanos para atuar na promoção da saúde sexual e reprodutiva. Na esfera educacional, os currículos herméticos constituem em desa o, são pautados no modelo biomédico, tendendo para as patologias e para a especialização.
Desta forma, distanciam os pro ssionais da visão humanística e dos aspectos socioeconômicos e culturais da população, di cultando-lhes uma visão crítica da saúde no contexto nacional.
Sendo assim, a formação não dá espaço à atividade interdisciplinar, à criatividade e à possibilidade de transformação da realidade, que permitiria colaborar positivamente ...





Related documents