Avaliação laboratorial da doença residual mínima na leucemia mielóide crônica por real-time pcr Report as inadecuate




Avaliação laboratorial da doença residual mínima na leucemia mielóide crônica por real-time pcr - Download this document for free, or read online. Document in PDF available to download.

Sandrine Comparsi Wagner ;Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial 2008, 44 6

Author: Allyne Cristina Grando

Source: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=393541945007


Teaser



Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial ISSN: 1676-2444 jbpml@sbpc.org.br,adagmar.andriolo@g mail.com Sociedade Brasileira de Patologia Clínica-Medicina Laboratorial Brasil Grando, Allyne Cristina; Comparsi Wagner, Sandrine Avaliação laboratorial da doença residual mínima na leucemia mielóide crônica por RealTime PCR Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, vol.
44, núm.
6, diciembre, 2008, pp.
433-440 Sociedade Brasileira de Patologia Clínica-Medicina Laboratorial Rio de Janeiro, Brasil Disponível em: http:--www.redalyc.org-articulo.oa?id=393541945007 Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto artigo de revisão Review article J Bras Patol Med Lab • v.
44 • n.
6 • p.
433-440 • dezembro 2008 Avaliação laboratorial da doença residual mínima na leucemia mielóide crônica por Real-Time PCR Primeira submissão em 07-11-07 Última submissão em 14-04-08 Aceito para publicação em 14-04-08 Publicado em 20-12-08 Evaluation diagnosis of minimal residual disease in chronic myeloid leukemia by Real-Time PCR Allyne Cristina Grando1; Sandrine Comparsi Wagner2 unitermos Leucemia mielóide crônica Doença residual mínima Real-time PCR resumo A leucemia mielóide crônica (LMC) representa 15% das leucemias e apresenta três fases: crônica, acelerada e crise blástica.
A partir da análise citogenética, pode ser identificado o cromossomo Philadelphia, característico da LMC.
O transplante de células-tronco é o único tratamento curativo, mas é acompanhado de altas taxas de morbimortalidade, dificultando sua aplicação.
A doença residual mínima é de grande importância para avaliar a resposta ao tratamento, tanto na verificação de doença residual, quanto na identifica...





Related documents